"NADA NOS DEIXA TÃO SOLITÁRIOS QUANTO OS NOSSOS SEGREDOS" - Paul Tournier

segunda-feira, 23 de abril de 2012

A carta de 01 de março

Somewhere over the rainbow, 01 de março de 1929
     Hoje queria poder ter-lhe dito o quanto senti sua falta.
     A saudade e o sentimento continuaram igualmente fortes e presentes em mim, o desejo ardente de poder tomar-te outra vez em meus braços.
     Entretanto, isso tem causado em mim uma constante relação de amor e ódio quando me refiro à você.
     Tem horas,meu querido, que sinto vontade de atirar um facão sob a mira de tua cabeça, decepando-a de seu corpo, por preferir ver-te morto, do que ao lado de outra. Ao mesmo tempo, sinto a imensa vontade e necessidade de atirar-me em seus braços, encher-te de beijos e sufocar-te com todo esse meu amor doentio, que custa a deixar-me dormir em paz, nessa ausência e a falta que tens me feito.
     Ao ver-te com outra, meu coração dói, e me sobem as lágrimas aos olhos.
     Ah, quem dera um dia, que meus olhos pudessem contemplar seu sofrimento e que viesse eu a causar a ela todos os males imagináveis. As vezes ao ver-te junto dela sinto vontade de fazê-la sofrer lentamente, fazê-la agonizar de dor, até pedir para que chegue a morte e a leve, como estive eu a ponto de pedir que levasse a mim.
     Arrancaria na navalha seu couro cabeludo com prazer, e me deliciaria em gargalhadas ao ouvir seus gritos de dor, e arrancaria-lhe os membros a machadadas, um por um; a começar pelos dedinhos do pé; depois arrancaria seus olhos e sua língua, completando minha obra de arte por ateá-la fogo. Seu corpo estaria adormecido pela dor, mas então eu sentiria o cheiro da carne queimada e veria sua pele destruída, então teria certeza de que ela jamais nos separaria outra vez. E far-lhe-ia assistir a toda a cena, para que a mesma pudesse provar-te o quanto é louco e puramente sincero o que sinto por você. E que ninguém pode tê-lo senão eu.
     Pode ser que eu sinta inveja da sua amada, sei, portanto, que não é para menos. Ora, a moça possui em mãos aquilo que mais desejo e almejo possuir em vida. Seu coração.
     Quem me dera tê-lo todo para mim... Por isso, não me envergonho. Eu sinto, e só eu saberei. Mais ninguém.
     Entretanto, apesar de desejar à sua amada tamanho mal, quero ver-te feliz ainda assim, sabendo que não me amas, e que apenas usou de meus sentimentos para satisfazer a teus prazeres, ainda assim quero tua felicidade. Então contento-me apenas a desejar ardentemente que sua amada o magoe.
     E que magoe de maneira tão profunda que vnhas a pedir e implorar pela morte, tal qual fizeste tu comigo, e com os meus sentimentos.
     Então eu riria da sua face. Pois depois de todo o seu sofrimento, você saberia que estaria aqui pra você. Então eu cuidaria das suas feridas e você me amaria.
     O sofrimento seria merecido, mas eu, e somente eu, seria a sua recompensa...

Nenhum comentário: