"NADA NOS DEIXA TÃO SOLITÁRIOS QUANTO OS NOSSOS SEGREDOS" - Paul Tournier

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Marcas

Quando o conheci, ou melhor dizendo, quando deixei-o entrar em minha vida, eu tinha uma verruga no joelho. Verruga essa que eu ficava cutucando pra ver se ela ia sair.

Ele dizia: "para de cutucar suas feridas internas igual tu faz com a tua verruga, é por isso que não sara nunca".
E hoje vejo que devo ser algum tipo louco de masoquista. Eu sei que vai doer, e ainda assim me jogo de cabeça. Eu sou assim.

E aí, quando tudo acaba, ficam aquelas marcas profundas no peito. Onde parece que alguém enfiou a mão no nosso coração, arrancou, apertou, esfaqueou,  jogou no chão e pisou em cima. (HAEIUAHEIUAHIUEHIAHE q drama)... Mas é verdade...
Até parece que o coração dói de verdade.. hahaha ninguém admite, mas é

E, pra diminuir um pouco a dor interna, a gente simplesmente exterioriza.
A dor externa, o sangue, a pele que corta, é uma dor diferente, mas aplaca um pouco aquela dor esmagadora.
Eu sei o que é sentir isso..
É uma válvula de escape. remédios também. :)

Se usar de uma dor externa diminui tanto o vazio no peito.
as vezes, o que eu mais queria era sair a louca por aí, e dar a sorte de aparecer em meio a um tiroteio.. só pra ver se alguma bala perdida iria me atingir, e conseguindo finalmente me arrancar desse mundo. xD

A gnt não pode querer se matar, na verdade não é.. E como EU, não posso fazer isso, bom seria que Deus olhasse pra mim, e deixasse eu me unir à Ele. ;)
 Ir pra um lugar onde ele enxugaria minhas lágrimas, e seria dia todo tempo, não haveria trevas, e nem dor, nem mentiras, nem sofrimento...

eu queria mesmo, era adormecer pra sempre.
e fugir. É verdade, eu sou covarde, e sofrer por amor nem é um sofrimento digno.
então...

whatever.

Nenhum comentário:

Postar um comentário