"NADA NOS DEIXA TÃO SOLITÁRIOS QUANTO OS NOSSOS SEGREDOS" - Paul Tournier

quinta-feira, 24 de março de 2011

Kiss me


"Oh, kiss me beneath the milky twilight
Lead me out on the moonlit floor.
Lift your open hand.
Strike up the band and make the fireflies dance,
Silver moon's sparkling.
So kiss me." -
Kiss me - Sixpence none the richer.




Quando estivemos juntos no campo, ele levou-me para longe de onde haviam matas, moitas e ervas daninhas. Fomos para aquela campina aberta, e deitamos na grama.

Seu jeito de manter-me perto dele as vezes era esquisito...
Pegou-me desprevenida quando eu estava por descer o degrau de madeira que rangia e girava, e ele me girava, antes que o degrau fizesse isso comigo.
Fizemos várias piadinhas, sobre como cada um vestia-se mal, e eu disse-lhe malcriada "Ok, use então aqueles seus sapatos, e eu usarei aquele vestido, veremos como fica..."

Quando chegou o crepúsculo, ele me beijou suavemente... E me conduziu ao pátio nos fundos da casa, que ao chegar da noite, sempre tinha o chão iluminado pela lua. E levantou sua mão, convidando-me para dançar dançar ali, uma dança sem música, sem som, na qual até mesmo os vagalumes dançavam conosco. A lua brilhava alto no céu.
Eu encarei-o por um instante, e disse-lhe "so kiss me..."

Corremos feito crianças para a casinha da árvore quebrada a alguns cem metros de distancia do pátio da casa, deitamos exaustos pela corrida, e mais um beijo foi dado...
Eu escapei por entre seus braços, e corri para o parquinho velho e improvisado ao lado. Subi no pneu velho que funcionava como balanço. E provoquei para que ele me empurrasse o mais alto que conseguisse. Foi divertido.
E então ele sumiu... voltando pouco depois com um chapéu florido sobre a sua cabeça e um mapa. Eu sorri.
Descobri que era um mapa marcado por seu pai, nós tomamos o caminho, começamos a procurar pelo que ele marcava, e ele levou-nos para o pátio ao fundo da casa...

O chão continuava iluminado pela Lua. E novamente ele ergueu sua mão convidando-me para dançar, aquela dança sem música, sem som, que até os vagalumes dançaram conosco.
Encarei-o novamente, então disse-lhe "so, kiss me"

E ele me beijou...

"Beije-me sob o Crepúsculo,
Guie-me para fora, no chão iluminado pela lua.
Levante a sua mão aberta,
Faça a banda tocar, faça os vagalumes dançarem
A lua prateada está brilhando.
Então Beije-me."
Kiss me.

Nenhum comentário: