"NADA NOS DEIXA TÃO SOLITÁRIOS QUANTO OS NOSSOS SEGREDOS" - Paul Tournier

sábado, 23 de dezembro de 2017

O que fiz com o que sobrou de mim?

  Aqui nesse lugar estava tudo quadradinho, minha vida encaixadinha, tudo meticulosamente planejado, como jogo de tetris - quando jogado por gente habilidosa. Mas não entendi. Em 30 segundos minha cabeça deu um looping, joguei a porra toda pro alto, e, junto com as madeixas do meu cabelo, comecei um ciclo de mudanças. 
  Mudança de postura, mudança de pensamentos, e mudei até o endereço.

  Durante oito meses, que pareceram uma eternidade, estava lutando bravamente pra continuar na linha, tentando segurar aquela ponte que existia entre ele e eu. Era como se eu visse que a corda estava para se romper, e por mais que eu enrolasse ela na minha mão até que começasse a sangrar, todo o esforço era vão pois a corda estava para arrebentar lá no meio, longe do meu alcance. Segurar a corda doía. Eu estava calçando um sapato que já não me cabia mais. Lindo! E que eu amava, mas que me causava bolhas nos pés e deixava meu andar difícil. Como quando a gente engorda e não cabe mais nas roupas antigas.

 Mas eu aguentei. Fui até o último suspiro. O meu grito pelo adeus estava sufocado, e a voz já quase não saía. O golpe de misericórdia que dei em nosso relacionamento foi principalmente para ver se eu conseguia resgatar o restinho de sanidade que existia em mim. Pois eu mesma já havia me prometido que eu nunca mais passaria por qualquer situação assim novamente. Que eu não seria fraca. E que estaria com ele enquanto nós fizéssemos bem um ao outro. 

  Estar estável e acomodado trás problemas.
 Você acaba ficando tão acostumado com aquela pessoa que está com você, porque parece que ela sempre esteve ali, que você acaba assumindo que essa pessoa nunca nunca vai sair da sua vida. E esse, é o maior erro que você comete. 
Porque os pequenos gestos e as gentilezas ficam esquecidas. 
As mensagens ficam dias sem serem respondidas.
As vezes se recebe um bom dia.
Você vira o Woody, empoeirando na estante, esperando ansiosamente pelo dia em que o Andy chegue e te escolha mais uma vez pra brincar.
Você, que é uma pessoa, acaba virando um souvenir. 

Então, chutei o pau da barraca.
Me dediquei algumas semanas pra sofrer.
Aliás, sofri ainda mais com a indiferença dele, mas OK.
Algumas coisas, a gente acha que vai durar pra sempre, se planeja, se organiza. Vai em busca de uma formação, e pensa: "nossa, eu vou ser alguém foda, porque a pessoa que está comigo é tão foda que merece somente o melhor". Quando na verdade temos que pensar que nós é que merecemos o melhor. Nós merecemos a felicidade, e viver de migalhas é muito pouco, principalmente porque concordo que nós somente aceitamos do outro aquilo que nos julgamos merecedores de receber, e eu pensei que eu merecia ser feliz.
Mesmo que isso implicasse jogar tudo que era "certo" para o alto, e dar ouvidos ao abismo que me gritava aos ouvidos: "PULE".

E eu pulei mesmo.
Não me arrependo.

Lá no fundo do abismo encontrei um par de olhos castanho claros..


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Des-Controle

Eu sei que pedi, aliás, que venho a alguns anos pedindo por mais.
Eu sei que ele não pode me dar o mais que sinto falta.

Sei que está além dele, e além de nós.
Nosso amor nunca queimou ardendo no peito. Sempre foi amor de aquecer a alma, mas nunca de incendiá-la.
Sempre foi calmaria, nunca tempestade. 
E eu sinto falta da tempestade, ele sabe.

Sinto falta de perder o controle. Sinto falta da adrenalina de algo que me queima e me desestabiliza.
Sinto fata de estar à mercê emocionalmente de outra pessoa. 
Sinto falta de algo que me faça sentir algo.

O problema é a personificação do controle. 
Ele nunca perde o controle. 
Nem das palavras, nem da paciência, nem das suas emoções, muito menos perde o controle de si.

Não quero que ele me controle: quero que perca o controle comigo.

Que passe o fim de semana, e ao ir embora, tudo o que ele consiga fazer seja lembrar do meu nome.
Quero que me deseje, e seja obcecado por mim, por minhas curvas - inclusive a do meu sorriso.
Quero que conheça e memorize meu corpo. Minhas pintas, rugas e estrias.

Mas ele nunca perde o controle.
Nem me deixa perder o meu.

As vezes esse controle todo me sufoca, e tudo o que quero, é gritar e sair correndo para as colinas.
Abandonar tudo mesmo. E pular num abismo desconhecido.
Aliás, eu ouço o abismo me chamar, e quero ouvir o chamado do abismo. Do infinito. Do desconhecido.

Quero saber que passei por aqui e vivi.
Quero adrenalina, emoção, fogo, atrito, carne.
Ser desejada.
Um tapa estalado, "sua gostosa".

Mas escolhi a estabilidade.
até quando?



sábado, 5 de setembro de 2015

Só enquanto eu respirar...

Cada dia que passa o tique-taque do relógio  vai me deixando cada vez mais louca. Engraçado, que o tique é o que mais faz tudo isso fazer sentido, me prende a realidade. 
O tique-taque que ouço vem daquele relógio que o seu avô me deu, que uso com tanto carinho.. 
É mais uma das minhas lembranças suas.
Ando vivendo de lembranças.... Lembranças dos seu olhos nos meus, da sua boca na minha, dos nossos dedos entrelaçados...
Lembranças do seus jeitos, manias, inseguranças... 

Lembranças do seu riso! - O som do sua voz é a melhor melodia na terra.. É como o chamado da realidade. 
Me enche de borboletas na barriga, me revira e bagunça toda.

As melhores  memórias de mim, são quando estou contigo. 

Estava.
Quando olho ao meu redor e me vejo só e sem você tenho vontade de nem levantar da cama. E daí ouço sua voz mentalmente me dizendo que tenho que ser forte "levanta e vai viver!".
E dai eu crio coragem pra encarar mais um dia sem você. 

Mais uma semana sem você. 
Mais um mês sem você.

E o lugar que você ocupa? Está aqui, vazio, esperando sua volta.  Esperando o momento que nossas vidas encontram o mesmo caminho. Porque meu sonho mesmo, é ficar velinha ao teu lado.

E como eu amo você!
Eu seu que parece pouco, mas é o que eu tenho, e que já não é mais meu, porque tudo de melhor em mim é porque quero ser o melhor por você.
Você é um lindo ser humano, que modificou minha vida de uma maneira louca! Você é um dos maiores motivos pra que eu ame tudo, o mundo a vida.

 Eu amo tudo porque você existe! E se ainda com tudo isso, eu tivesse a chance de voltar no passado e escolher novamente, eu te escolheria. 
Todas as vezes. 
Faria tudo de novo, só prater você na minha vida. 
De você, nunca me arrependo.
Você é a razão pela qual eu acredito no amor. Você é a razão pela qual acredito em finais felizes. Você é a razão pela qual tenho fé no futuro.
Sinto sua falta todos os dias.
Aguardo ansiosamente pelo dia que poderei estar contigo novamente.

"I can wait forever".

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Pra falar de amor...

Hoje eu entendo.
Sei o que são aquelas maravilhosas linhas em Cantares de Salomão, 2.
São declarações de amor. Dois seres que se amam profundamente, tentando por em palavras o que cada um é para o outro.

"Qual a macieira entre as arvores do bosque, tal é o me amado entre os filhos, desejo muito a sua sombra e debaixo dela me assento, e o seu fruto é doce ao meu paladar."
A moça, descreve, que dentre todos, ele é diferente, é imponente, seus beijos aquecem o corpo, sua sombra onde se assenta, são seus braços onde ela repousa.. Enfim..
Hoje eu entendo, porque estou aqui há meia hora tentando por em palavras o que eu sinto pelo meu amado e não consigo. Não encontro semelhança, porque ele é diferente de tudo que conheço ou conheci.
Na verdade, acho que não consigo compará-lo a nada, porque ele é único. Não há arvore, ou fruto doce que o represente, e que chegue aos pés de descrevê-lo como eu o vejo.

Só sei que quando estou com meu amado, de repente, o mundo se torna um lugar de paz. Ao menos meu mundo. Eu consigo respirar. Como se todo o tempo eu estivesse nadando lutando por ar, e ele fosse a força que me puxa à superfície.
Quando estou com ele, eu vejo cores em tudo, e ouço todas as musicas ao redor.
Eu me transbordo. E então sei que ao menos momentaneamente é assim que deve ser estar feliz.
Quando o vejo, ou o ouço, minha agonia dissipa, então tudo em mim vira paz.

De repente, me encontro todos os dias descobrindo um jeito novo de amar meu amado.
Me encontro sendo capaz de deixar meu coração expandir-se mais, para que talvez ele consiga conter todas essas coisas que começam a transbordar em mim quando estou com ele.
Quando estou em seus braços, não tenho medo, pesadelos não me atingem, porque estou segura.
Sei que estou.
Sei que se eu me partisse em milhões de pedacinhos, todos eles correriam até ele, se expandiriam e todos eles diriam "eu amo você".

Porque é verdade.

Eu tive tanto medo de dizer em voz alta, medo de sofrer, medo de não ser correspondida, medo de talvez estar mentindo pra mim e pra ele, medo de não saber se era amor...
Mas eu o amo. Eu o amo demais. Na nossa paz.

Eu ainda o amo por todos os hojes que viraram ontem, e pelos que serão amanhã. Eu o amo todos esses dias, meu amado.
Por isso choro quando ele me diz "eu te amo",
As vezes é tão bom que não parece real. Então eu finalmente acho que compreendi. Acho que é assim que é amar de verdade.

 "O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
 Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
 Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta."
( 1 Coríntios 13:4-7 )
 
E assim é o nosso amor.
 
"O meu amado é meu, e eu sou dele"


quarta-feira, 30 de julho de 2014

sobre pessoas que recusam ajuda...



É demais pra mim, isso tudo.
Estou farta de ser adulta.
Cansada demais de ser o meio termo, a intercessora...
Não tomo partido, apenas observo. E observar dói.
Observar o sofrimento, e as palavras duras direcionadas aqueles que amo - eu que bem sei como funciona atingir pessoas através das palavras, sei como ela está ferida e machucada, e me machuca só observar essa dor, sem dizer nada que me indique tomando partido.

Então todos os dias, eu junto meus cacos, e repito meu mantras: "juntos somos mais fortes", "vivendo um dia após o outro", e "bola pra frente". Mas a verdade, é que ninguém tá se esforçando além de mim.. Eu que to segurando as duas mãos que seguram a corda.
Eu só queria que as decisões fossem tomadas pelos adultos, de forma adulta.
E não comigo sendo o pilar desse lugar. Eu estou em ruínas. E já não aguento tudo sozinha.

Eles se instalaram no fundo do poço, e não querem ser tirados de lá.. E eu já estou tão cansada de segurar a corda, que acho que vou só deixar pra lá.

estou só nessa batalha, e não quero mais lutar.
nem por mim, e nem por eles.